Escreva uma redação nota 10

Clica que ela fica mais visível

Você já recebeu uma redação cuja nota era zero? Imaginou-se ouvindo o que está escrito na imagem acima? Já falei inúmeras vezes sobre a construção de uma redação, sobre como é corrigida, sobre os pecados da redação dissertativa e, neste post, volto ao assunto para abordar , de uma forma sintética e fácil, quais as características de um texto de qualidade. Repito o que falei aos quatro ventos: não existe esse negócio de inspiração. É certo que algumas pessoas têm facilidade, mas é apenas isso: facilidade. Qualquer um pode fazer um bom texto se dominar os mecanismos linguísticos que fazem uma dissertação, uma narração, enfim, um texto eficaz. Li, certa vez, que "os grandes escritores possuem tal convívio e domínio da linguagem escrita como maneira de manifestação que não se preocupam mais em determinar as partes do texto que estão produzindo". O texto estrutura-se logicamente em começo, meio e fim.
Um aluno, no entanto, às vezes, mal sabe escrever três ou quatro linhas numa resposta a uma questão dissertativa. Costumo, em minhas aulas, dar outro nome às partes do texto. Elas recebem os nomes de introdução, desenvolvimento e conclusão.
Confesso que acho insignificante o nome que elas recebem. Importante é que saibam diferenciá-las.

Vejamos cada uma delas.

INTRODUÇÃO


Podemos começar uma redação fazendo uma afirmação, uma declaração, uma descrição, uma pergunta (desde que devidamente respondida ao longo do texto), e de muitas outras maneiras. O que se deve guardar é que uma introdução serve para lançar o assunto, delimitar o assunto, chamar a atenção do leitor para o assunto que vamos desenvolver.
Uma introdução não deve ser muito longa para não desmotivar o leitor. Se a redação dever ter trinta linhas, aconselha-se a que o aluno use de quatro a seis para a parte introdutória.

DEFEITOS A EVITAR
I. Iniciar uma idéia geral, mas que não se relaciona com a segunda parte da redação.
II. Iniciar com digressões (o início dever ser curto).
III. Iniciar com as mesmas palavras do título.
IV. Iniciar aproveitando o título, com se este fosse um elemento da primeira frase.
V. Iniciar com chavões

Exemplos:
- Desde os primórdios da Antigüidade...
- Não é fácil a respeito de...
- Bem, eu acho que...
- Um dos problemas mais discutidos na atualidade...

DESENVOLVIMENTO

A parte substancial e decisória de uma redação é o seu desenvolvimento. É nela que o aluno tem a oportunidade de colocar um conteúdo razoável, lógico. Se o desenvolvimento da redação é sua parte mais importante, deverá ocupar o maior número de linhas. Supondo-se uma redação de trinta linhas, a redação deverá destinar de catorze (14) a dezoito (18) linhas para o corpo ou desenvolvimento da mesma.

DEFEITOS A EVITAR
I. Pormenores, divagações, repetições, exemplos excessivos de tal sorte a não sobrar espaço para a conclusão.

CONCLUSÃO

Assim como a introdução, o fim deverá ocupar uma pequena parte do texto. Se a redação está planejada para trinta linhas, a parte da conclusão deve ter quatro a seis linhas.
Na conclusão, nossas idéias propõem uma solução. O ponto de vista do escritor, apesar de ter aparecido nas outras partes, adquire maior destaque na conclusão.
Se alguém introduz um assunto, desenvolve-o brilhantemente, mas não coloca uma conclusão: o leitor vai se sentir perdido.

DEFEITOS A EVITAR
I. Não finalizar (é o principal defeito)
II. Avisar que vai concluir, utilizando expressões como "Em resumo" ou "Concluindo"

Pra usar uma expressão bem coloquial, digo que é complicado estabelecer fórmulas, pois isso engessa o texto, mas repito o que eu disse no inínio do pos. Há pessoas que não conseguem formular três ou quatro linhas inteligíveis.
P.s.: Ficou com dúvida quanto ao vocabulário usado no post? Siga a dica do Caio e consulte aqui o significado.

5 comentários

Porque não usar expressões "em resumo" "concluindo"? Não tem o mesmo efeito que "portanto", "dessa feita", "assim" e "dessa forma" ?

Reply

Hugo, creio que a questão seja mais semântica que gramatical. Existem expressões que depreciam o redator. É, mais ou menos, o caso das expressões coloquiais. Quando alguém coloca "em resumo" "concluindo" dá a entender que isso não tenha ficado claro pela organização que deu à argumentação construída. Os conectivos cumprem facilmente esse papel e mostram que o redator domina os mecanismos linguísticos de coesão textual.

P.s.: como eu disse, é mais semântica que gramatical a diferença.

Reply

Se na conclusão eu por : " Em última análise podemos concluir que ... " tá errado tbm ?

Reply

fuzileiro, dizer que está errado eu não posso, mas dizer também que depende do tipo de texto que construiu não ajudaria. Prefira ser menos explícito na introdução, afinal está na cara que está terminando. Essa expressão que colocou no comentário, pra mim, indica que ainda mostrará algo novo e isso sim seria inaceitável numa conclusão.

Reply

GOSTARIA DE SABER:SE AH POSSIBILIDADE DE ZERA UMA PROVA TODA POR CAUSA DE UMA RENDAÇÃO.
FIZ UMA PROVA E OBTIVE:74 PONTOS E MEU NOME NÃO ESTÁ NA LISTA DE APROVADOS.
TEM NOMES NA LISTA COM 40 ACERTO NA PROVA OBJETIVA. 1.26 NA PROVA REDAÇÃO.
NÃO TEM LOGICA.OU TEM?

Reply

Postar um comentário

Os comentários deste blog são moderados.